quarta-feira, 21 de abril de 2010

A importância do coro




Coro designava um grupo de dançarinos e cantores usando máscaras que participavam activamente nas festividades religiosas e nas representações teatrais. Na tragédia clássica, o coro é uma personagem colectiva que tem a missão de cantar partes significativas do drama. Na origem, representa a polis, a cidade-estado, ampliando a acção para além do conflito individual De início, o texto do coro constituía a parte principal do drama, ao qual se interpolavam monólogos e diálogos. É possível encontrar coros também nas odes pindáricas, exactamente com a mesma função. Com o desenvolvimento da tragédia, o coro fixou-se como uma parte secundária do texto dramática, geralmente reservada ao comentário público. Em consequência, o coro torna-se depois uma parte perfeitamente supletiva que apenas serve para fazer uma pausa entre os actos. Com o desenvolvimento do drama, o coro perde a sua configuração e importância original, abandonando a representação de uma personagem colectiva. A parte coral pode então ser executada por um só cantor, como acontece, por exemplo, já no drama isabelino. Pelo seu carácter repetitivo, o coro aproxima-se da função do refrão. No teatro moderno, fala-se por vezes em personagem de coro (choral character) para designar aquele actor que comenta regularmente a história representada. A função original do coro da tragédia grega não se perde nesta concepção: ele funciona sempre como um espectador ideal que se responsabiliza pelo equilíbrio das emoções e pela moderação dos discursos.

Na tragédia clássica, existe um elo de ligação muito forte entre o drama e o coro. De facto, crê-se que a tragédia tenha surgido em virtude das actuações quer líricas quer religiosas de um coro composto por dançarinos mascarados que cantavam. O coro no teatro trágico grego era formado por um grupo de actores que se mantinham afastados da acção principal da peça, dispondo-se em rectângulo, tendo por função exclusiva comentar os acontecimentos dramáticos, como atestam as peças de Sófocles e Ésquilo.

Créditos: texto: http://willvx.blogspot.com/
imagem: http://willvx.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário